SBTMO Entrevista: Fernando Barroso Duarte


Às vésperas de concluirmos 2021, ano em que completamos 25 anos de existência, convidamos o novo presidente da SBTMO, Fernando Barroso Duarte, para falar sobre suas expectativas para a nova gestão, que teve início em outubro deste ano e segue até 2023.

Neste vídeo acima, é possível acompanhar um trecho das palavras que compartilhou durante a solenidade de possa da nova diretoria, realizada durante o Congresso SBTMO 2021, na Assembleia Geral Ordinária, em 8 de outubro.

Primeiro representante da região Nordeste a presidir a SBTMO, o especialista possui 15 anos como membro associado, conta um pouco de sua trajetória no universo da hematologia e do TMO.

Natural de Fortaleza (CE), Duarte é formou-se em 1990 pela Universidade Federal do Ceará, instituição em que atualmente é coordenador da equipe de Transplante do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará (HUWC-UFC); Professor de Transplante de Medula Óssea UFC e Coordenador da Residência Médica de Hematologia e TMO. 

Sua experiência em hematologia e TMO já soma 28 anos. Fez seu Pós-doutorado no Fred Hutchinson Câncer Research Center (Fred Hutch)/ Seattle Cancer Care Alliance (EUA) em 2017, com a Dra. Mary Flowers.

Além disso, é editor-chefe e um dos idealizadores do Journal of Bone Marrow Transplantation and Cellular Therapy (JBMTCT), o periódico cientifico oficial da SBTMO e primeiro na América Latina a ter como linha editorial exclusiva a abordagem multidisciplinar do TMO.

Confira a seguir a entrevista cedida por Duarte à nossa equipe de comunicação:

SBTMO Entrevista – Como se sente sendo o primeiro representante da região Nordeste a estar à frente da Sociedade?

Dr. Fernando Barroso Duarte – Uma responsabilidade e uma honra muito grande. Acho importante em um país continental como o nosso, poder representar esta região e fazer ela crescer – contribuir com sua evolução e aperfeiçoamento. Ter sido indicado por meus colegas a presidir nossa Sociedade me deixa muito honrado, sobretudo, ao lado de pessoas que me inspiram e estimulam, como cada um dos membros de nossa diretoria e nossos associados.

Membros das diretorias 2019-2021 e 2021-2023, juntos, durante a posse da nova gestão

SBTMO Entrevista – Quais perspectivas para os próximos anos de SBTMO?

Dr. Barroso – Considero nossa Sociedade essencial para o desenvolvimento e melhoria do TMO no Brasil. A cada ano vem se tornando mais atuante e inclusiva, com todos os profissionais multidisciplinares envolvidos. Atenta aos problemas importantes dos pacientes e sempre buscando aprimoramento e modernidade, sem esquecer suas origens e propósitos.

Nestes próximos anos esperamos, acima de tudo, preservar o espírito de união, parcerias e solidariedade, que são próprios dos transplantadores e estão inseridos no DNA desta Sociedade, dando continuidade aos projetos iniciados pelas gestões anteriores, tais como estímulo à pesquisa, por meio da criação do Journal of Bone Marrow Transplantation and Cellular Therapy, periódico exclusivo – e inclusivo – de nossa entidade, que tornou-se o primeiro na América Latina a seguir uma linha editorial exclusivamente voltada ao TMO.

Vamos contribuir com as ações de nossos Grupos de Trabalho e dar continuidade ao Registro Brasileiro de TCTH, que vêm ganhando cada vez mais novos centros, o nos permitirá reportar nossos dados ao CIBMTR e gerar uma visão panorâmica do cenário do TMO em nosso país, o que nos possibilitará conhecer ainda mais nossa realidade.

Trabalharemos para manter proximidade com SNT, Redome/Rereme, ABTO e, claro, as parcerias internacionais, com ASTCT, CIBMTR, EBMT e LABMT e nacionais, com entidades-irmãs, como ABHH, ABHI, ABTCel, Sobope, Abrenfoh, Sobrafo e tantas outras.

Também está no nossos radar estimular a formação de Jovens Transplantadores, por meio do Programa Jovem Transplantador, lançado este ano, que contará com mais 3 módulos em 2022 (casos clínicos, terapia celular e pediatria). Manteremos nossas Reuniões Regionais, cursos de Educação à Distância e, claro, fomentaremos o crescimento de nosso Congresso Nacional, que no próximo ano deve adotar um modelo híbrido.

Isso tudo, tendo sempre como norte a clareza da ciência, ética e da dignidade humana como norte de todas as nossas decisões, na busca de uma vida melhor para todos.

SBTMO Entrevista – Quais razões o levaram a escolher a medicina e, posteriormente, seguir na hematologia  e TMO?

Dr. Barroso– Meu ponto de aproximação com a medicina veio por meio da família. Um tio médico, pelo qual tenho muita admiração, foi um dos fios condutores nesta caminhada. Depois, veio a vontade de contribuir com “meu lugar”, com meu “cearazinho”. Com isso, foram se expandindo os horizontes que me conectavam com o ser médico. O fascínio em conhecer o corpo humano, as nuances que nele há. E, caro, o constante movimento e estímulo que há na busca do saber que mora no oncohematologista e no médico transplantador.

A hematologia entrou na minha vida por dois motivos: a racionalidade e a abrangência que há nesta especialidade. Na verdade, este é um campo que considero instigante, pois permite associar a visão laboratorial ao raciocínio diagnóstico. Outro aspecto que considero importante, é a vertente oncológica, que possibilita auxiliar pacientes com prognósticos mais desafiadores devido aos seus diagnósticos e oferecer qualidade de vida, sobrevida, aliviando suas dores e tratando suas condições.

Já especificamente o TMO, considero ter se tornado uma religião para mim. Fui movido pela situação de minha região. No Ceará era uma necessidade real. Assistia pacientes que poderiam ser beneficiados por um TMO, mas muitas vezes morriam por não terem esta oportunidade.

Dr. Fernando Barroso e equipe HUWC-UFC

Na mesma proporção que o TMO foi criado em terras cearenses, eu também nasci como um transplantador e me tornei um transplantador de medula. Foram 10 anos para montar o transplante aqui no HUWC-UFC. Levamos de 1998 até 2008. Foi uma empreitada desafiadora, na qual houve soma de esforços de muitas pessoas, como de Dra. Helena Pitombeira e Dra. Rosângela Ribeiro, companheiras nesta jornada, as quais cito nominalmente e representam tantos outros colegas que sabem quem são e acreditaram neste propósito. Todos são especiais e fazem parte disso.

SBTMO Entrevista – O que significou para a região poder contar com um serviço de transplantes?

Dr. Barroso – Acredito que quando vem uma terapia de alta complexidade, como o caso de um transplante, você “obriga” tudo o mais ao redor a melhorar. Passamos a ter equipe multidisciplinar, a alcançarmos qualificações e, em especial, tornou-se possível oferecer uma opção de vida para nossos pacientes, na região em que residiam, o que considero um benefício imensurável. Isso marcou profundamente minha trajetória e me moveu de maneira obstinada.

Antes, havia uma fronteira que os distanciava. O indivíduo precisava sair do seu lugar de origem e se dirigir a outras regiões do Brasil. Muitas vezes, em locais em que não havia uma estrutura familiar, se quer econômica, que tornasse esta uma alternativa viável.

Na mesma proporção que o TMO foi criado em terras cearenses, eu também nasci como um transplantador e me tornei um transplantador de medula

SBTMO Entrevista – Como foi o seu primeiro TMO?

Dr. Barroso – Ah, como ganhar uma Copa do Mundo. Era 2008, tínhamos acabado de inaugurar nosso serviço. O paciente era daqui, de Fortaleza, e tinha mieloma múltiplo e, gratamente, está vivo até hoje.

Desde então, já foram aproximadamente 700 procedimentos realizados, dos quais participei. Mas, posso dizer que ainda assim, a emoção é a mesma.

SBTMO Entrevista – O que considera mais desafiador como gestor de um serviço público de TMO no país? 

Dr. Barroso – A implementação de novas tecnologias, o acesso a drogas e a terapia celular são pontos ainda nevrálgicos. Há ainda questões mais básicas, como disponibilidade de leitos para nossos pacientes no SUS.

Estamos procurando mudar mais esta realidade. Inclusive, começamos já a dar todos os passos para montar aqui (HUWC-UFC) um serviço de Terapia Celular. Já é um projeto em andamento, junto com o Hemoce, com a Dra.  Luciana Carlos e professora Romélia Gonçalves.

Iniciamos esta empreitada há 4 anos, pra obtenção do Prodigy (tecnologia para infusão de CAR T). Pretendemos ter o CAR T público, atrelado ao TMO – algo muito importante – na região e no Brasil, com certeza.  

Isso pode nos tornar inclusive o primeiro serviço público a ter uma terapia como esta. A pandemia do novo coronavírus nos atrasou em um ano, mas temos previsão que já em 2022 poderemos estar “funcionando” e iniciando nossas pesquisas para que, em um futuro (espero eu, próximo), estarmos preparados para oferecer à nossa população este tratamento.

SBTMO Entrevista – Como pesquisador, como avalia o papel da pesquisa no âmbito do desenvolvimento e fortalecimento do TMO no País?

Dr. Barroso – Nossa revista – Journal of Bone Marrow Transplantation and Cellular Therapy, é hoje a única na América Latina a adotar uma linha editorial exclusivamente voltada ao TMO e com espaço para publicações multidisciplinares.

Nosso periódico se propõe a ser um espaço para que os transplantadores possam publicar seus trabalhos, discutir seus aspectos e relatos de casos. Já temos o Consenso de Diretrizes do TCTH e, agora, em dezembro de 2021, lançaremos o I Consenso Pediátrico, arrisco eu, da América Latina. Ano que vem (2022), sairá o Manual Técnico de Terapia Celular – SBTMO.

SBTMO Entrevista – Além da dedicação ao HUWC-UFC e, agora, como presidente da SBTMO, com quais outras atividades o sr. divide seu tempo?  E, por fim, o que o inspira a seguir em frente?

Dr. Fernando Barroso ao lado de Dra. Mary Evelyn Flowers, em Seattle

Dr. Barroso – É como dizem: fundamental cuidar do corpo, mente e espírito. Pratico exercícios antes de iniciar minha rotina profissional. Além disso, nas “horas vagas”, escrevo. Publiquei livros de poesias, sobre vinhos – uma de minhas paixões.

No TMO, cito como minhas grandes inspirações, Prof. Ricardo Pasquini, Dra. Mary Evelyn Flowers (foto ao lado, durante sua pós em Seattle com Dra. Flowers), Dr. Júlio Voltarelli (em memória). Posso dizer com segurança que aprendo a cada dia com meus colegas, aos quais hoje tenho orgulho de poder me dirigir como “amigos”. Me sinto realmente “em casa” na comunidade de TMO.

A SBTMO se tornou um lugar em que me encontrei, com profissional, como pessoa. Fiz amigos, pessoas valorosas a quem posso dizer que respeito extremamente pela trajetória, pela persistência. Fomos virando uma grande família, é algo imensurável.

Mas, preciso dizer que meu porto-seguro, aonde estão as raízes da minha energia, é minha família. Minha mulher, Dra. Pastora Duarte, que há 25 anos está comigo para tudo; meus filhos, João Vitor, Beatrice, Isabella, Fernando – que vêm se mostrando “tão insanos quanto o pai aqui”, pois decidiram se embrenhar também neste infindável, complexo, intenso e instigante universo que é ser médico.

Esta é fonte de inspiração que, inclusive, me moveu a concretizar o Programa Jovem Transplantador – SBTMO, lançado agora, em 2021, como mencionei anteriormente. São os jovens nosso horizonte. Vejo isso, todas as manhãs, ao olhar meus filhos.


Notícias Recentes

Notícias

Presidente da SBTMO promove aproximação Brasil – Portugal


admin, 6 de dezembro de 2022

Notícias

Encerramento do Encontro Regional SBTMO – Edição Paraná


Bruna, 28 de novembro de 2022

Notícias

Acaba de ser publicado o Vol. 3 No. 2 (2022): Journal of Bone Marrow Transplantation and Cellular Therapy (JBMTCT)!


Bruna, 24 de novembro de 2022

Notícias

Sessão conjunta histórica sobre terapia celular e TMO entre SBTMO e ABHH aconteceu hoje, 28/10, no Hemo 2022


Bruna, 28 de outubro de 2022