Pacientes com linfoma na fila para o transplante de medula correm risco de desabastecimento de medicamento


A Lomustina, fármaco com melhor desemprenho e baixo índice de efeitos colaterais será descontinuada em 2022

No último dia 17 de maio, a farmacêutica Bristol Myers Squibb emitiu um comunicado a ANVISA e entidades médicas sobre a descontinuação definitiva do  Citostal (Lomustina) no Brasil. O medicamento é indicado a pacientes com tumores cerebrais e linfoma de Hodgkin e Não Hodgkin, neste segundo com indicação para o transplante de medula óssea. A empresa alega que a decisão se baseou em um mercado com outras alternativas ao remédio e que manteria importação apenas até abril de 2022 quando permaneceriam apenas os estoques disponíveis.

A SBTMO (Sociedade Brasileira de Terapia Celular e Transplante de Medula Óssea) em conjunto com a ABRALE (Associação Brasileira de Leucemia e Linfoma), o Movimento Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC) e a SOBOPE (Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica), emitiram um ofício a ANVISA solicitando uma ação para garantir o abastecimento da Lomustina.

Os especialistas alertam que além de valor mais acessível o Citostal (10mg e 40mg), possui melhor resposta em pacientes adultos e pediátricos e, consequentemente, menor incidência de efeitos adversos (toxicidade). Desta maneira é considerado a melhor droga disponível para quem está elegível ao transplante.

“Novamente os pacientes, aqueles que não podem esperar, estão a mercê de processos burocráticos e mercadológicos se sobrepondo a vida. Não contar com a Lomustina no tratamento pode aumentar as chances de desfechos negativos para o tratamento de linfoma. Hoje não há nenhum outro fornecedor deste fármaco homologado em nosso País.” Afirma Dr. Nelson Hamerschlak, presidente da SBTMO.

Em outros países, existem apenas mais 3 fabricantes do mesmo medicamento. Por isso, caso a descontinuação venha a acontecer a solução seria ter a liberação de outros fabricantes no Brasil.

Para se ter ideia, apenas no último ano nos últimos 10 anos foram realizados 1050 transplantes autólogos – onde o doador é o próprio paciente, indicado para os pacientes com linfoma – no Brasil, segundo dados do RBTCTH (Registro Brasileiro de Transplante de Células-tronco Hematopoiéticas).

Em 2020 foram 1927 transplantes autólogos no País – segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos ABTO (https://site.abto.org.br/publicacao/xxvi-no-4-anual/).

Neste cenário adultos e crianças podem não ter acesso a um tratamento com maior índice de sucesso por conta da descontinuação da Lomustina. “Para nós, médicos, é bastante desafiador saber e conhecer alternativas comprovadamente mais eficientes e não termos as mesmas à disposição sejam em serviços públicos ou privados. É uma questão séria e generalizada” Finaliza Hamerschlak.

As entidades reforçam ainda que outros medicamentos como a Carmustina também apresentam falhas do abastecimento já há algum tempo o que compromete um número ainda maior de pacientes no Brasil.


Notícias Recentes

Institucional

ABHH e SBTMO alertam para o desabastecimento de imatinibe no Brasil; medicamento é indicado para tratamento de leucemia


admin, 14 de janeiro de 2022

Notícias

Citometria de Fluxo para monitorar a DRM-LLAb – é possível padronizar as análises?


admin, 20 de dezembro de 2021

Notícias

Eleitos os membros da nova gestão do Grupo de Trabalho de Gerenciadores de Dados em TCTH da SBTMO


admin, 6 de dezembro de 2021

Notícias

Consenso de TCTH Pediátrico é publicado no JBMTCT


Tati, 3 de dezembro de 2021