Pacientes com linfoma na fila para o transplante de medula correm risco de desabastecimento de medicamento


A Lomustina, fármaco com melhor desemprenho e baixo índice de efeitos colaterais será descontinuada em 2022

No último dia 17 de maio, a farmacêutica Bristol Myers Squibb emitiu um comunicado a ANVISA e entidades médicas sobre a descontinuação definitiva do  Citostal (Lomustina) no Brasil. O medicamento é indicado a pacientes com tumores cerebrais e linfoma de Hodgkin e Não Hodgkin, neste segundo com indicação para o transplante de medula óssea. A empresa alega que a decisão se baseou em um mercado com outras alternativas ao remédio e que manteria importação apenas até abril de 2022 quando permaneceriam apenas os estoques disponíveis.

A SBTMO (Sociedade Brasileira de Terapia Celular e Transplante de Medula Óssea) em conjunto com a ABRALE (Associação Brasileira de Leucemia e Linfoma), o Movimento Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC) e a SOBOPE (Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica), emitiram um ofício a ANVISA solicitando uma ação para garantir o abastecimento da Lomustina.

Os especialistas alertam que além de valor mais acessível o Citostal (10mg e 40mg), possui melhor resposta em pacientes adultos e pediátricos e, consequentemente, menor incidência de efeitos adversos (toxicidade). Desta maneira é considerado a melhor droga disponível para quem está elegível ao transplante.

“Novamente os pacientes, aqueles que não podem esperar, estão a mercê de processos burocráticos e mercadológicos se sobrepondo a vida. Não contar com a Lomustina no tratamento pode aumentar as chances de desfechos negativos para o tratamento de linfoma. Hoje não há nenhum outro fornecedor deste fármaco homologado em nosso País.” Afirma Dr. Nelson Hamerschlak, presidente da SBTMO.

Em outros países, existem apenas mais 3 fabricantes do mesmo medicamento. Por isso, caso a descontinuação venha a acontecer a solução seria ter a liberação de outros fabricantes no Brasil.

Para se ter ideia, apenas no último ano nos últimos 10 anos foram realizados 1050 transplantes autólogos – onde o doador é o próprio paciente, indicado para os pacientes com linfoma – no Brasil, segundo dados do RBTCTH (Registro Brasileiro de Transplante de Células-tronco Hematopoiéticas).

Em 2020 foram 1927 transplantes autólogos no País – segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos ABTO (https://site.abto.org.br/publicacao/xxvi-no-4-anual/).

Neste cenário adultos e crianças podem não ter acesso a um tratamento com maior índice de sucesso por conta da descontinuação da Lomustina. “Para nós, médicos, é bastante desafiador saber e conhecer alternativas comprovadamente mais eficientes e não termos as mesmas à disposição sejam em serviços públicos ou privados. É uma questão séria e generalizada” Finaliza Hamerschlak.

As entidades reforçam ainda que outros medicamentos como a Carmustina também apresentam falhas do abastecimento já há algum tempo o que compromete um número ainda maior de pacientes no Brasil.


Notícias Recentes

Notícias

Ricardo Pasquini recebe prêmio Mechtild Harf Science


admin, 23 de junho de 2022

Notícias

Já estão disponíveis on-demand as aulas do Encontro Regional SBTMO – Edição Minas Gerais


admin, 23 de junho de 2022

Internacional

Estudo brasileiro de Mieloma é Best Abstract no Tandem Meetings 2022


admin, 28 de abril de 2022

Internacional

Especial: GT GDS SBTMO no TANDEM Meetings 2022


admin, 28 de abril de 2022