Adriana Seber recebe CIBMTR Distinguished Service Award

Brasileira se torna a 1ª mulher a receber a honraria e a quarta representante do TCTH latino-americano a ganhar a distinção. O primeiro a ser agraciado foi Dr. Ricardo Pasquini, em 2010.

A vice-presidente da SBTMO, Dra. Adriana Seber, recebeu o “CIBMTR Distinguished Service Award”, em cerimônia que aconteceu no dia 25 de abril, durante o Tandem Meetings | Transplantation & Cellular Therapy Meetings of ASTCT™ and CIBMTR®, realizado em Salt Lake City (Utah; EUA).

Esta é a primeira vez que uma mulher recebe a honraria, que é cedida àqueles que se destacam por suas contribuições no âmbito das pesquisas do CIBMTR em uma ou mais das seguintes áreas: promoção da pesquisa em TCTH e cuidados clínicos em países em desenvolvimento; ampliar a disponibilidade de transplantes; divulgar resultados de pesquisas para médicos e pacientes a fim de melhorar os resultados e a qualidade de vida; e, também, que colaboram com organizações para aumentar a troca de dados e a colaboração em pesquisa em todo o mundo.

Este prêmio significa muito para a América Latina. Até o momento apenas quatro latino-americanos foram agraciados com a honraria, sendo dois deles brasileiros: o primeiro, em 2010, foi o Dr. Ricardo Pasquini; e, agora, em 2022, foi a vez de Dra. Adriana Seber.  Além deles, dois mexicanos receberam a distinção.

Seber, que atua no serviço de TCTH do Samaritano Higienópolis e no IOP-GRAAC-Unifesp, considerou o momento muito especial, não apenas para ela, mas para todos aqueles que têm atuado no gerenciamento de dados nos serviços de transplantes brasileiros. Em seu discurso, de agradecimento, ela compartilhou que acredita fortemente ser fundamental conhecer os resultados que vêm sendo alcançados nos centros transplantadores nacionais para que haja aperfeiçoamento da prática e melhora nos cuidados com os pacientes. E, isso só é possível por meio do registro de dados. Ela pondera, entretanto, que no Brasil ainda não há gerenciadores de dados suficientes para atender a demanda e espera que com os treinamentos de capacitação que vêm sendo empreendidos, bem como os esforços do Grupo de Trabalho dos Gerenciadores de Dados da Sociedade Brasileira de Terapia Celular e Transplante de Medula Óssea (SBTMO), essa realidade possa vir a mudar.

Em nome do GTGD da SBTMO, o gerente de dados Anderson Simione, gravou um vídeo-depoimento parabenizando a Dra. Adriana Seber. Confira

Continue acompanhando as comunicações da SBTMO e fique por dentro da participação dos brasileiros no Tandem Meetings 2022.

Estudo multicêntrico latino-americano sobre IPSS-R em TCTH na SMD ganha destaque no MDS HUB

Os resultados alcançados no estudo multicêntrico latino-americano “Influência do tipo de doador e estratificação IPSS-R nos resultados do Transplante de Medula Óssea da Síndrome Mielodisplásica Registro Latino-Americano” ganharam destaque no MDS Hub, principal plataforma de educação e disseminação científica sobre SMD do mundo, criada em parceria com a European Leukemia Net (ELN).

Em entrevista ao MDS Hub, ao ser questionado se o IPSS-R pode ser usado como ferramenta prognóstica em TCTH na Síndrome Mielodisplásica em regiões onde a análise molecular não está disponível, o autor principal do artigo, Fernando Barroso Duarte, esclareceu que sim, trata-se de um recurso extremamente útil neste cenário, conforme foi possível observar na conclusão do artigo. Ele também compartilhou pontos importantes sobre como a melhoria do acesso à citogenética é importante no impacto da sobrevida dos pacientes com SMD submetidos a um transplante.

Segundo o pesquisador do Hospital Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará (HUWC-UFC) e presidente da Sociedade Brasileira de Terapia Celular e Transplante de Medula Óssea (SBTMO), o papel das mutações no diagnóstico, prognóstico, tratamento e até mesmo no seguimento pós-TCTH na SMD tem se tornado cada vez mais relevante do ponto de vista diagnóstico, principalmente nos casos com citopenias sem blastos.

A pesquisa, que foi apresentada no 42ª Encontro Anual do European Blood and Marrow Transplantation (EBMT), procurou avaliar dois aspectos: o tipo de doador e a correlação da estratificação com R-IPSS com a sobrevida global, considerando que não há acesso a análise molecular como ferramenta, como é a realidade da maioria dos centros de TCTH da América Latina. Para chegar a uma conclusão, foram analisados os dados de 331 pacientes com SMD do registro de transplantes de 32 centros públicos e privados da América Latina (Brasil, Uruguai e Argentina), no período de 1989 a 2021.

Acesse aqui para assistir a entrevista completa feita pelo MDS Hub, que contou também com a participação de Silvia Magalhães, da HUWC-UFC.

Referência

FB Duarte, TE Sousa, VAM Funke, VAR Colturato, N. Hamerschlak, NC Villela, MCMdA Macedo, AC Vigorito, RDdA Soares, A. Paz, M. Stevenazzi, AE Hallack Neto, G. Bettarello, BM Gusmão, MA Salvino, RF Calixto, MCR Moreira, GM Teixeira, EJdA Paton, V. Rocha, A. Enrico, C. Bonfim, CC Silva, RPG Lemes, YDO Garcia, R. Chiattone, AJ Simioni, C. Arrais, EOdM Coelho. Influence of donor type and r-ipss stratification on outcomes from myelodysplastic syndrome bone marrow transplantation latin american registry. In: Proceedings of the 42th European Bone and Marrow Transplantation; 2022 March 19-23; Virtual Meeting: EBMT; 2022. Abstract nr P641. Avaliable  https://ebmt2022.abstractserver.com/program/#/details/presentations/756