Tratamento contra leucemia com células geneticamente modificadas terá painel de debate no próximo Congresso da SBTMO
22/08/2017
A 21ª edição do Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea abordará temas sobre métodos alternativos para o tratamento dos tipos de câncer que atingem o sangue. Entre as novas terapias a serem debatidas, está o promissor tratamento com células geneticamente modificadas. O assunto será apresentado pela Dra. Simrit Parmar, do MD Anderson Cancer Center, Texas, Estados Unidos. Segundo o coordenador do departamento de Hematologia e Transplante de Medula Óssea do Hospital Albert Einstein e presidente do Congresso, Dr. Nelson Hamerschlak, as pesquisas sobre o tema são positivas: “a tecnologia de células geneticamente modificadas foi uma das maiores conquistas na área oncológica já obtida”. Em julho a terapia foi aceita em um painel da FDA (Food and Drug Administration), agência americana que regula vigilância sanitária nos Estados Unidos, que recomendou o uso de um novo tratamento contra a leucemia linfoide aguda. Após a aprovação FDA, esta será a primeira terapia gênica do mercado. “Esta terapia pode ser substitutiva ao transplante de medula óssea convencional ou complementar a outros tratamentos,” completa o Hamerschlak. O novo tratamento consiste em modificar geneticamente células T para fortalecer o sistema imunológico e combater a doença. Apesar da boa perspectiva, o tratamento ainda provoca efeitos colaterais severos no paciente.