Eventos adversos e mortalidade tardia após TCTHalo pediátrico - duas décadas de acompanhamento longitudinal
16/06/2015
O transplante de células-tronco hematopoiético (TCTH) – na modalidade alogênico é uma terapia curativa para muitas leucemias de alto risco e, também, para condições não malignas, tais como imunodeficiências, talassemia-beta, anemia falciforme e doenças metabólicas. É o que aponta em editorial publicado no BMT/Nature, o pesquisador DA Jacobson, do Departmento de Transplante de Medula Óssea Pediátrico, do Children’s National Health System, em Washington, DC, USA. No texto, Jacobson traz à avalição quanto ao impacto para a comunidade de transplantadores do recente estudo “Adverse health events and late mortality after pediatric allogeneic hematopoietic SCT-two decades of longitudinal follow-up” (2015 Jun; 50 (6): 850-7. doi: 10.1038 / bmt.2015.43. Epub 23 de março de 2015) Segundo Jacobson, “a beleza do estudo é que ele inclui os dados de cada sobrevivente a longo prazo (sobrevida > 4 anos) dos programas de TCTH pediátricos na Suécia e na Finlândia, nos quais foram mantidos registros cuidadosos, de visitas, pelo menos anuais sobre efeitos tardios, incluindo (entre outros) eventos hormonais e não-hormonais, situações adversas e deficiências de crescimento. Um total de 204 pacientes foram seguidos neste estudo. “Os autores devem ser parabenizados pelo rastreamento desta informação longitudinal”, avaliou no editorial. Entre os achados do estudo em questão está os impactos pós-TCTH, tais como a deficiência de crescimento em longo prazo, em especial nos pacientes transplantados pré-puberdade. Por outro lado, o fato de a pesquisa se basear em apenas dois locais, representa uma possível fragilidade no que cabe representatividade do levantamento. Confira na íntegra do Editorial as considerações destinadas à comunidade acadêmica, científica e, também, referente à prática diária no campo do TCTH pediátrico. Leia também: Práticas recomendadas para triagem e prevenção de complicações em sobreviventes de longo prazo após transplante de células hematopoéticas – Artigo Especial – publicado em Rev Bras Hematol Hemoter. 2012;34(2):109-33 – com participação da SBMTO