Congresso de Transplantes aborda estratégias e desafios em TMO no Brasil
29/04/2015
Desdobramentos devem integrar o Consenso 2015 da SBTMO que acontecerá em maio Com apoio da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO), o I Congresso Einstein de Transplantes – Medula Óssea - reuniu membros dos Grupos de Trabalho (GTs) da Sociedade e representantes das unidades transplantadoras de diferentes regiões do País. Aproximadamente 70 pessoas estiveram reunidas em São Paulo, dia 24 de abril, no auditório Moise Safra, no Hospital Israelita Albert Einstein, instituição organizadora do encontro. Sob a coordenação de Nelson Hamerschlak e Andreza Alice Feitosa Ribeiro, o encontro foi divido em dois módulos: “transplante com doadores alternativos” e “discussão de protocolos em transplante haploidêntico”. Do Centro de Transplante de Medula Óssea (CEMO) - Instituto Nacional do Câncer (INCA), Leonardo Javier Arcuri – que na ocasião representou Luis Fernando Bouzas, coordenador da instituição, apresentou os dados atuais do TMO no Brasil e as perspectivas de manutenção do registro de doadores (Redome) para atualizar cadastros no país. Na ocasião os palestrantes apresentaram com base nas últimas discussões dos GTs da Sociedade o panorama atual da prática de procedimentos em TCTH no Brasil, quais os avanços alcançados, os critérios de inclusão de pacientes em novos estudos, entre outros pontos importantes tanto em doenças malignas e não malignas, bem como protocolos convencionais a serem adotados como guideline. Inclusive, como referência no campo dos haploidenticos, a aula apresentada no BMT 2014 – acesse Raiola et. al, BMT 2014 – foi citado na maior parte das apresentações. Contribui significantemente para as discussões a presença do convidado internacional, o pesquisador Stefan Ciurea, Professor do Departamento de Células-Tronco do MD Anderson Cancer Center. Prof. Ciurea tem expertise em doadores relacionados incompatíveis como fonte potencial de células-tronco e pode trazer a vivência do centro em que atua – referência em pacientes que não têm um irmão compatível ou doador não aparentado. (veja mais) Dos desafios a serem transpassados os participantes retomaram a questão do déficit de leitos para atender a demanda da modalidade “não-aparentado”, considerado o grande gargalo dos TMOs no País. Sobre o assunto, inclusive, o coordenador geral do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde (SNT/MS), Heder Murari, que foi convidado a moderar uma das mesas, reforçou a importância de os serviços transplantadores notificarem o Sistema Único de Saúde quanto ano número de procedimentos realizados periodicamente e lembrou aos presentes da Portaria 2.758, de 11 de dezembro de 2014, que prevê o incremento de 240 mil reais por leito no campo do transplante de medula óssea (TMO) e tem como perspectiva de até 2016 triplicar a capacidade de realizar o procedimento na modalidade alogênico. Ao final, Vergílio Colturato, de Jaú, trouxe à reflexão a relação custos x financiamento do TMO no País, tema que deve ser abordado brevemente por meio de um estudo de efetividade no campo. Para tanto a SBTMO contará com o empenho dos Grupos de Trabalho da entidade, que tem trabalhado constantemente para o crescimento e fortalecimento da especialidade no Brasil. Para Hamerschlak, que além de coordenar o I Congresso Einstein de Transplantes é membro emérito da SBTMO – o evento cumpriu todos os seus objetivos que eram trazer uma atualização sobre transplantes haploidênticos, suas indicações, vantagens e limitações; estabelecer protocolos para os centros de transplantes ligados a SBTMO nas áreas de Leucemias agudas, Linfoma de Hodgkin e anemia aplástica severa, além de discutir particularidades do sistema HLA, transplantes pediátricos, células NK e infecções. Segundo o coordenador, foi fundamental a presença do Prof. Ciurea, que contribuiu em todas as discussões enriquecendo muito o conteúdo dos protocolos. “Considero que estão de parabéns a SBTMO e seus membros, pelo espírito de cooperação e alto nível científico alcançado”, avaliou Hamerschlak. Desdobramentos & Consenso 2015 Os desdobramentos deste encontro, somados a outras atividades que vem sendo realizadas pelos GTs, serão analisados com o objetivo de alinhar os pontos levantados até hoje sobre o transplante no Brasil. Este conteúdo será a tônica da III Reunião da SBTMO de Diretrizes Brasileiras em Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas (Consenso 2015), a ser realizado em maio deste ano. O propósito das reuniões é alinhar condutas dos especialistas brasileiros em prol da melhor prática dos procedimentos. Alinhado ao aperfeiçoamento das quipes transplantadoras, a Sociedade tem a expectativa de que os esforços que vem sendo empreendidos no sentido de haver mudanças no campo dos transplantes de medula alcancem as esferas governamentais. A entidade espera que as proposições possam ser adotadas como balizadoras ao Ministério da Saúde, no processo de revisão da portaria de transplantes, há tempos aguardada. No site da SBTMO é possível conferir o balanço da segunda edição da reunião da SBTMO, realizada em 2012, em formato “cobertura jornalística”.