TMO em pacientes com esclerodermia grave oferece mais chances de sobrevida global a longo prazo, aponta pesquisa
23/02/2018

Um estudo publicado em janeiro no periódico New England Journal of Medicine comparou o transplante de células-tronco autólogas mieloablativo com imunossupressão por meio de 12 infusões mensais de ciclofosfamida em pacientes com esclerodermia grave.

Os pesquisadores dividiram 75 pacientes entre 18 e 69 anos de idade em dois grupos; 36 para transplantes de células-tronco autólogos mieloablativos, enquanto 39 receberam ciclofosfamida, ambos os grupos durante um período de 54 meses.

Os resultados apontaram uma taxa de sobrevida livre de eventos em 79% no grupo de transplantes e 50% no grupo ciclofosfamida. Os autores concluíram que o TMO para o tratamento de esclerodermia grave, em longo prazo, oferece melhorias na sobrevida global e livre de eventos. A toxicidade decorrente do TMO se manteve dentro das expectativas dos pesquisadores. Leia na íntegra: http://bit.ly/2DJ157I