Evolução do TMO no Brasil é celebrada na abertura do Congresso da SBTMO
18/08/2011

“Este é um momento importante para o transplante e, sobretudo, para a SBTMO”. Foi com este espírito de crescimento e amadurecimento dos princípios da Sociedade que o presidente da décima quinta edição do Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea, Dr. Luis Fernando Bouzas, abriu o encontro na noite de 11 de Agosto, no Rio de Janeiro.

Em seu discurso, o especialista ressaltou que o encontro, considerado o maior da América Latina na especialidade, vem coroar o desenvolvimento do sistema de transplante no País desde 1979, ano em foi realizado o primeiro TMO do País. “Nos últimos anos, tivemos a oportunidade de ver o sistema de transplante evoluir e receber o apoio do Governo, principalmente no que diz respeito ao REDOME e BrasilCord, ao crescimento do número de leitos e equipes de todo País”.

Entretanto, Bouzas chamou a atenção para o fato de ser fundamental a integração entre o Ministério da Saúde, os órgãos e instituições competentes, para a melhoria da atividade e a garantia de resultados positivos por meio do acesso rápido do paciente ao TMO e da ampliação de leitos no sistema público de saúde.

Já o presidente da SBTMO, Dr. Frederico Dulley, salientou a relevância do comprometimento dos especialistas nacionais, fundamental para que a especialidade se solidifique e entre junto com países de primeiro mundo, em uma nova modalidade terapêutica, com a realização do transplante de doador não aparentado. “O Brasil está melhorando e eu acredito nisso.

Nossa experiência mostra que nestes 32 anos conseguimos transpor obstáculos e desafios. Espero agora, vencermos também no campo dos não-aparentado”. Dr. Dulley conclamou o MS a ser um braço forte na consolidação deste objetivo.

Também compuseram a mesa solene o coordenador geral do Sistema Nacional de Transplantes do MS, Heder Murari Borba, que na ocasião representou o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha; o superintendente da Fundação do Câncer, Jorge Alexandre dos Santos Cruz; Lucio Pacheco, em lugar do presidente da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos; o presidente da Associação Brasileira de Histocompatibilidade, Fernando Vinhal; presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica, Cláudio Galvão Castro Júnior; o Coordenador Executivo do Instituto Sulamericano de Governo de Saúde, o ex-ministro do MS, José Gomes Temporão; o presidente da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Carmino Antonio de Souza; e o Diretor Geral do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva, Luiz Antônio Santini.

A décima quinta edição do Congresso anual da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea reuniu mais de 700 especialistas; contou com a participação de 147 palestrantes nacionais, e 17 convidados internacionais; teve 246 trabalhos científicos inscritos; 239 aprovados e 12 selecionados para premiação. Números que refletem o sucesso do encontro.

Além disso, o Congresso contou com a presença de membros dos países latino-americanos, o que é considerado fundamental no sentido de “tornar o continente cada vez mais competente nos procedimentos necessários”, conforme salientou Dr. Bouzas durante a cerimônia.

Homenagens

Muitas foram as homenagens durante a solenidade de abertura do Congresso. Para representar os pacientes transplantados, o próprio motivo de todo este esforço e desenvolvimento, a Sra. Cleide Silva Lamounier recebeu homenagem. Também foram contempladas, as enfermeiras Euza Toyonaga e Eliana Barreto, pioneiras dos TMOs respectivamente no HC UFPR e no INCA; Dra. Effie Petersdorf, que representou a delegação internacional de especialistas; Dra. Mary E. Flowers, pioneira e fundadora do CEMO-INCA; o Dr. Eurípedes Ferreira também pioneiro e membro da equipe do primeiro TMO no Brasil e a Associação Pró-Vita Transplante de Medula Óssea, exemplo de parceria da sociedade civil com as unidades de TMO do Rio de Janeiro no atendimento aos pacientes.

Confira as fotos da abertura na galeria de imagens. Clique aqui