Nota de pesar – John Goldman
07/01/2014

Em nome da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO), lamento o falecimento do médico, professor e amigo, John Goldman, que ocorreu no dia 24 de dezembro. O especialista esteve à frente das principais sociedades europeias da especialidade e contribuiu decisivamente para o desenvolvimento do tratamento da leucemia mieloide crônica (LMC) no mundo.

Ele esteve presente no primeiro encontro internacional sobre TMO no Brasil, realizado no CEMO – INCA/RJ, na década de 1980 e, desde então, participou intensamente do desenvolvimento do TCTH no País e na formação de especialistas brasileiros. Considero o professor Goldman um facilitador no desenvolvimento da ciência. Na Inglaterra, ele liderou um grupo de pesquisa composto pela especialista mineira Junia Melo que orientou o então estudante Michel Deininger em estudos moleculares ajudando a esclarecer os eventos mutacionais que ocorrem na LMC e que, em última análise, resultaram na síntese do STI571, mais tarde conhecido como mesilato de imatinib – o primeiro inibidor da tirosinoquinase. A droga alvo representou uma mudança de paradigma no tratamento da LMC e do câncer em geral.

Na área clínica, o professor Goldman atuou intensamente no TCTH e, por meio de suas observações integradoras em artigos originais e cartas ao editor, muito colaborou para que se compreendesse o papel do TCTH na LMC. Embora fosse um eminente professor e cientista, com mais de 800 publicações internacionais, era humilde e acessível.

No ano de 2003, por ocasião do III Encontro Fani Job de Hematologia, em Porto Alegre (RS), ele elogiou o formato do encontro. Na ocasião, os palestrantes permaneceram no plenário durante todo o evento para que os alunos de pós-graduação pudessem assistir a discussões de alto nível. Em 2007, na cidade de Foz do Iguaçu (PR), tivemos o privilégio de trabalhar juntos na organização de outro encontro sob o mesmo formato, onde 37 especialistas internacionais discorreram sobre os avanços na área das células-tronco benignas e malignas. Foi um encontro inesquecível.

Pouco tempo depois, realizamos o XI Congresso da SBTMO, em Gramado (RS), e pudemos contar com o apoio do professor Goldman novamente. Por meio de sua influência, convidamos palestrantes internacionais que, além de serem renomados especialistas da área, realizaram apresentações claras e objetivas, e cativaram os congressistas. Desde então, o professor Goldman adotou o formato "Fani Job” para organizar encontros da especialidade mundo afora e nos manteve informados sobre a realização e o sucesso dos mesmos.

Sem dúvida, esta perda será sentida em todo o mundo e, certamente, por nós brasileiros. Para mim, em particular, foi uma honra tê-lo conhecido. Seu falecimento representa a perda de um mentor e amigo.

Lucia Mariano da Rocha Silla