Rede de solidariedade se encontra no Rio de Janeiro
29/06/2011
“Ele não é um estranho para mim, parece que é parte da família, que o conheço há anos”. Desta forma Isa Oliveira descreve uma pessoa que conheceu há menos de 24 horas. O “estranho” era Djailson Alves da Silva, o doador de medula óssea que em 2006 salvou a vida de seu filho, Gustavo Oliveira de Paula, hoje com 12 anos.
Foi a primeira vez no Brasil que um paciente e seu doador se encontraram. Promovido pela equipe do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME), a reunião foi parte do 4º Encontro Internacional sobre Registro de Doadores de Medula Óssea e Bancos Públicos de Sangue de Cordão Umbilical, realizado nos dias 13 e 14 de junho.
Durante o evento, foram realizadas homenagens a parceiros que vêm contribuindo para o desenvolvimento do REDOME: a equipe do Fundo Social do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que trabalha no projeto da Rede BrasilCord; a equipe do Banco de Cordão do Hemocentro do Pará; a apresentadora Ana Maria Braga; e as colaboradoras de campanha de doação de medula Mônica Vasconcelos, do Rio de Janeiro, e Margarida Finis, de São Paulo.
O 4º Encontro sobre Registros e Bancos de Cordão reúne, todos os anos, profissionais dos hemocentros, laboratórios de imunogenética e bancos públicos de cordão. Os 160 participantes discutiram durante os dois dias melhorias para a rede de transplante de medula óssea do País. “Todos os esforços vão ser feitos para fortalecer o sistema de transplantes do Brasil e a área de doação de medula óssea”, garantiu o coordenador do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), Heder Murari.
Fonte: INCA