Doadores brasileiros fazem parte de rede mundial
01/06/2011
O Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME) agora faz parte da lista do Bone Marrow Donors Worldwide (BMDW), banco de dados que reúne informações de registros de doadores de medula de 46 países. Dezessete milhões de doadores, entre eles os mais de 2 milhões de brasileiros, estão disponíveis no banco de dados do BMDW.
O BMDW facilita o trabalho dos profissionais que procuram doadores para pacientes que precisam do transplante. Com uma busca preliminar no site do BMDW é possível saber se há doadores para os pacientes e onde estão localizados no mundo. “A entrada do REDOME significa uma diversidade genética importante para os pacientes em busca de doadores”, afirma Luis Fernando Bouzas, diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea do INCA e coordenador do REDOME.
Além de ser o terceiro maior registro do gênero do mundo, atrás apenas de EUA e Alemanha, o Brasil se destaca por ter 99,5% dos doadores com os exames de compatibilidade realizados, ou seja, disponíveis para uma busca completa. A Alemanha, segundo maior banco de doadores de medula, tem mais de 4 milhões de cadastrados em seu registro porém apenas 2,7 milhões disponíveis.
Em 2010 o INCA e a Fundação do Câncer firmaram convênio com o National Marrow Donor Program (NMDP), registro de doadores dos EUA, que permitiu que brasileiros passassem a fazer doação também para o exterior. Por meio do convênio com o NMDP, já foram enviadas oito doações nacionais para pacientes de diversos países, como Austrália e África do Sul. A perspectiva é que o número de doações para o exterior aumente com a entrada do REDOME no BMDW.
Fonte: Inca